Vila Isabel traz Angola ao carnaval carioca

Você Semba Lá …. Que Eu Sambo Cá! O Canto Livre de Angola”, de autoria do cantor e compositor Martinho da Vila foi o tema do carnaval da Vila Isabel na noite de ontem do desfile no Rio de Janeiro.  Uma bela homenagem àquele que pode ser considerado o embaixador do país africano no Brasil.

O carnaval da Vila inovou também ao trazer elementos culturais angolanos para a composição de seu desfile em que misturou o semba (estilo musical angolano) e o kuduro (uma dança típica do país) com alegorias de temática tribal assinadas pela carnavalesca Rosa Magalhães, em seu segundo ano consecutivo na organização do desfile da escola.

InterConexão histórica leva Angola/Brasil/Moçambique para o CCJ

O programa InterConexões Humanas realizado no sábado passado (27/11) foi histórico.  Pela primeira vez conectamos 3 países (Angola/Brasil/Moçambique) de forma estável, que garantiu um debate dinâmico e participativo.  Neste dia integramos também o público do CCJ que participaram de outras atividades do projeto ‘Que país é este? Moçambique’ de curadoria de Carlos Subuhana.

A pauta foi orientada aos temas de HipHop, Literatura Marginal, Meio Ambiente e Colaboração e trouxe ativistas dos países interessados nas possibilidades de trocas simbólicas oferecidadas pela ação.  Realizamos o primeiro sarau à distância com leitura de poesias em português e língua tradicional de Moçambique em que a produção literária atravessou fronteiras pelas conexões de internet e tournou-se acessível pela oralidade de seus interlocutores.

A principal reflexão causada pelo programa InterConexõesHumanas deste último sábado foi a necessidade de maior intercâmbio entre Angola e Moçambique e o início do diálogo com os demais países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) para a consolidação da rede InterConexõesHumanas enquanto instrumento de difusão da cultura dos países lusófonos e da criação de bases para fomento do intercâmbio e da colaboração.

O balanço final foi de que chegamos a um momento mais maduro e de comprometimento com a difusão cultural sob todas as linguagens de expressão dos membros da CPLP e de que a Sociedade Civil Organizada é capaz de empreender ações inovadores em direção à uma cultura solidária às afinidades,  com perspectivas independentes dos veículos de comunicação de massa que resistem em não divulgar questões de interesse real dos produtores culturais e educadores de seus países.

Veja + fotos do encontro no Flickr

 

Brasil faz lobby por TV digital na África

Meta é emplacar o sistema japonês, o mesmo do Brasil, e abrir mercado

Venda de software para TV digital na América do Sul representou 30% do faturamento do setor no ano passado

CLAUDIO ANGELO

Um grupo de empresários e funcionários do governo brasileiro desembarcou ontem em Johannesburgo com uma tarefa difícil: convencer a África do Sul e mais dez países do continente a adotarem o padrão de TV digital japonês, usado pelo Brasil.

A missão integra um esforço de lobby -ou “divulgação”, como prefere o Itamaraty- para reverter a inclinação sul-africana a adotar o padrão europeu. A chancelaria estuda até mesmo uma carta do presidente Lula a seu colega Jacob Zuma para catalisar o processo.

Tanto o Brasil como o Japão, detentores da tecnologia, estão de olho no mercado de 250 milhões de pessoas representado pela SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral).

O bloco inclui economias em ascensão como Angola e Moçambique e deve bater o martelo em novembro, seguindo a decisão da África do Sul, potência regional.

As emissoras de TV e o nascente setor de eletrônica e softwares do Brasil estão animados com a possibilidade de negócios com a África após ganharem a América do Sul (exceto Colômbia e Uruguai) para o sistema japonês, ISDB-T (Sistema de Serviços Integrados de Transmissão Digital Terrestre, em inglês).

Segundo André Barbosa, assessor da Casa Civil para o tema, estima-se que a venda de software para TV digital à região tenha respondido por até 30% do faturamento do setor no último ano, “cerca de US$ 200 milhões”.

O Brasil também fabrica aparelhos transmissores para TV digital e conversores, mas concorre com a produção japonesa.

“Os japoneses invadiram a América do Sul, e até agora só fizemos uma venda, para o Chile”, diz Carlos Frutuoso, da Linear. A empresa, que fabrica transmissores em Minas, fecha agora o primeiro grande contrato com um país sul-americano, para vender mais de 40 aparelhos -mais do que já instalou no Brasil.

“TV SOCIAL”

A África é a fronteira final da TV digital. Trata-se do último continente que ainda não se decidiu por um padrão.

Segundo Hadil da Rocha Vianna, diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia do Itamaraty, o ISDB-T é o mais adequado a países como o Brasil devido às suas “qualidades sociais”. Prioriza a transmissão de TV aberta gratuita para celulares, e o sinal resiste a interferências.

O europeu DVB, mais adotado no mundo, é o favorito das teles, que poderiam entrar no mercado de TV. “Iam querer cobrar por jogo de futebol no celular, e no ISDB-T é gratuito. Para a população pobre, isso é fundamental.”

Outra vantagem é o fato de ser livre de royalties e aberto a aportes de tecnologia dos países que o adotam.

O Brasil, primeiro a adotar o sistema, criou um software chamado Ginga, que permite interatividade. Ele está sendo testado no Peru e no Chile.

REVERSÃO

Na África do Sul, a disputa terá de reverter a decisão tomada pelo DVB -sua implantação foi congelada graças ao lobby nipo-brasileiro.

O sistema é o preferido dos radiodifusores sul-africanos, e alguns já compraram transmissores para o padrão europeu -que, ironicamente, foram fabricados no Brasil.

“Uma decisão dessas não se reverte assim fácil. Em dez anos será preciso ter trocado todos os equipamentos”, afirma Rehana Dada, produtora de TV sul-africana.

Por outro lado, diz, a TV estatal SABC, principal da região, passa por turbulências políticas em sua direção.

“Não imagino que decisões importantes ou mudanças de tecnologia sejam possíveis no futuro próximo”, afirma a produtora de TV.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me2009201007.htm

Fotos do Intercâmbio no Facebook e Programação

Confira também as publicações realizadas durante o intercâmbio de André Gustavo (a.k.a. DJ EmTranseGente), também pelo FaceBook.  Já temos as primeiras fotos postadas no álbum InterConexõesHumanas.

Visite, comente e acompanhe.  O projeto InterConexõesHumanas tem como principal objetivo aproximar artistas e educadores dos países de língua portuguesa e esperamos poder proporcionar inúmeras outras oportunidades de intercâmbio, mas, por hora, virtualmente já podemos prover uma pequena fresta no canal de comunicação entre Brasil e Moçambique.

” Esperemos que um dia isto se torne uma janela “

InterConectando Culturas

Um marco nas ações do projeto InterConexões Humanas foi iniciado com a viagem de um dos principais articuladores brasileiros desta rede, à convite da Liga Moçambicana dos Direitos Humanos (LDH), para a participação no evento de Empoderamento de Redes Sociais com ênfase nas possibilidades de produção colaborativa entre artistas e educadores dos países de língua portuguesa pelo incentivo ao acesso à internet e aos meios de produção de conteúdo digital.

Por meio do Edital de Intercâmbio, do Ministério da Cultura, André Gustavo, vulgo DJ EmTranseGente, cruzou o Atlântico a fim de estreitar ainda mais os laços que esta iniciativa tem criado ao longo de seus breves dois anos.

Parabéns a todos os angolanos, brasileiros e moçambicanos que, juntos, constróem esta rede.

Acompanhem os posts neste blog, pelo twitter, facebook e flickr.  Convidamos a todos a interagir e compartilhar deste momento tão importante para a aproximação entre os países.

iVoz no International Visitors

O associado do iVoz e responsável pela rede angolana do projeto InterConexões Humanas, Simão Hossi, foi selecionado pelo governo dos EUA para viajar e participar de um encontro de jovens lideranças mundiais para capacitação no programa “International Visitors” que neste ano abordará o tema Voluntariado: Unidos Servimos.

Após processo de seleção em Angola, no dia 01 de abril o embaixador americano em Luanda Dan Mozena, solicitou visita oficial em que discutiram política, desenvolvimento social e efetivou o convite para a participação no programa.

Durante a visita aos EUA, nosso companheiro Simão Hossi viajará a Washington DC, Indianápolis, Nova York e São Francisco para uma série de capacitações e visitas a centros de referência do voluntariado em que haverá o compartilhamento das experiências americanas em envolver diversos setores da sociedade com a finalidade de gerar mudança social.

Como se sabe, os EUA são referência mundial em voluntariado e este programa propicia a oportunidade de apresentações da história deste desenvolvimento, arranjos organizacionais que propiciam o envolvimento do setor público, privado e da sociedade civil na realização de ações de intervenção comunitária e responsabilidade social.

Esta iniciativa premia o trabalho de Simão Hossi em sua atuação ligada a Gênero e Violência contra a Mulher e amplia seus horizontes através da capacitação recebida e de sua inserção em novas redes com abrangência global.

Após seu período de intercâmbio em São Paulo as fronteiras se expandiram para nosso companheiro e o mundo parece cada vez menor frente a sua vontade de aprimorar suas habilidades de líderença social, que tem grande influência em sua família de brasileiros do iVoz.

Revista Platina – Conteúdo Angolano em Português

Criada em 2009 a fim de promover, através de um portal de conteúdo, a interatividade e a valorização do profissional do mercado de entretenimento para jovens  jovens profissionais com experiência no segmento de programação e criação de conteúdos multimídia e de entretenimento.  A revista também conta com uma comunidade virtual onde o usuário cadastrado tem direito a participar de promoções, premiações, postar artigos e participar de fóruns.

Uma iniciativa importante para a Comunidade de Países de Língua Portuguesa que agora conta com mais um canal de expressão da voz angolana no ciberespaço.

Parabéns aos editores da Revista.

link:
http://www.revistaplatina.com