Este Abominável Mundo Novo

Zito Bila, companheiro acompanhou na cobertura fotográfica e em vários roles por Maputo no intercâmbio “Interconexões Humanas”. Batemos uma bola, torcedor do Benfica e tem como ídolo o jogador moçambicano Eusébio. O Intelectual me apresentou dois livros interessantes:

Livro Verde, de autoria do Presidente Muammar Al Qhatafi, da. Líbia

                                                                          معمر القذافي

 “A Humanidade está de fato atrasada porque o homem não fala a mesma linguagem do seu irmão, que foi herdada por ele e não aprendida. Contudo será apenas uma questão de tempo para a Humanidade alcançar esse objetivo sob risco da civilização retroceder”.

 

The Hip Hop Generation: Young Blacks and the Crisis in African American Culture

“Geração Hip Hop: jovens negros e a crise na cultura americana Africano”

A Geração Hip-Hop examina as principais forças políticas e sociais que moldaram jovens negros nascidos depois do movimento pelos direitos civis e as formas jovens negros nascidos entre 1965 e 1984 diferem dos seus pais. Com uma vista sobre os triunfos e as armadilhas do sucesso mainstream do hip-hop, Bakari Kitwana investiga prisão desproporcional da sua geração e as taxas de desemprego, bem como as guerras civis que ameaçam o futuro da América Negra, a partir da nova guerra dos sexos à cada vez maior fosso entre as gerações. Prestando especial atenção às questões críticas como as disparidades educacionais, brutalidade policial, e na crise da liderança negra, ele dá a sua própria análise provocante.

Kitwana crítica da militância e da política na geração hip-hop é talvez a realização mais notável deste livro. Enquanto muitos consideram negros jovens de hoje a ser apolítica e egoísta, Kitwana celebra o início de uma nova fase de capacitação Africano-Americano. Ele coloca um desafio aos artistas do rap, jovens ativistas e líderes dos direitos civis que irão mudar o ativismo Africano-Americano para sempre. Com uma visão extraordinária, Bakari Kitwana combinou a cultura e política desta geração, em um trabalho fundamental em estudos americanos.

 Bila disponibiliza conteúdo de sua autoria, mais colaborador # ICH / MZ #

 

Este Abominável Mundo Novo

 O (Abominável) Homem das cavernas, partiu…

Em busca do admirável mundo novo

Dentre artimanhas e máquinas, evoluiu…

(Auto) domesticado pela selvajaria de se comparar

A  si, consigo mesmo, pensou, sou livre

Livre de comparar, catalogar a carne e escravizar

Regressando a si, descobriu a verdade

Tudo que o motivara fora pura maldade

Queria ser livre p’ra outros aprisionar

– Vou tomar-lhes a força cogitara, a sua essência

“bestializa-los”, despi-los de consciência

E todo seu ser cultural exterminar

Hoje, consciente da hipocrisia d’ontem

Iria ver-se livre de tanta falsidade

Como poderia viver sabendo a verdade

que fora este abominável mundo novo, tecnológico

Que moldara

O admirável Homem das cavernas, Biológico

Queria ser livre, iria largar este mundo, buscar um paraíso

Teria coragem de iniciar a viagem

Nada o impediria de ser livre nunca mais

E lá, noutra paragem

Sua alma voltaria a ser selvagem

Iria morrer, e renascer qual fénix, admirável…

P’ra mudar este mundo,   …abominável…

Suicidou-se!!! … e com a morte se libertou!!!

A.K.a Zito Bila # CPLP # ICH # MZ é nós !

Anúncios

Empoderamento de Redes Sociais para o Monitoramento de Políticas Públicas

 Potencializar o intercâmbio e protagonismos da rede social em construção entre Maputo e São Paulo. Demonstrar o hibridismo do Áudio-Visual a partir da dinâmica, leitura e reflexão do Hip-Hop e do processo de sua produção no espaço urbano. Ampliar a percepção musical e visual, da imagem e som, da poesia sonora das ruas como canal de percepção das contradições na sociedade, sendo via de minimizar conflitos e buscar caminhos e novas propostas para a juventude trabalhadora em detrimento das adversidades históricas desencadeadas na contemporaneidade.

 

 Apresentar e trocar pesquisa de áudio e imagens de grupos musicais do gênero RAP e de elementos da cultura hip-hop como a Dança de Rua, o Graffiti e o DJ que produzem em suas linguagens e ações fortalecidas de uma postura de resistência e combate aos conflitos e as desigualdades que geralmente estão envolvidos em suas realidades. Portanto o trabalho será interventivo a partir da música e da imagem, e reflexivo em exemplos concretos a partir da perspectiva de demonstrar ações e atividades que confrontam com a violação de alguns direitos como acesso a educação, arte, lazer, conquista do seu território e direito à cidade.

Em virtude do amadurecimento das relações estabelecidas pelo projeto “Empoderamento de Redes Sociais para o Monitoramento de Políticas Públicas” e o comprimento da proposta do edital. A contrapartida apresentada visa minimizar algumas barreiras, meramente de não ser somente uma ação e ou registro, mais enfim de avançarmos em projetos comuns e criarmos um intercambio maior das nossas afinidades.

Estreitar os laços entre grupos de produção brasileiros e moçambicanos pela produção colaborativa em tecnologias sociais e da informação e na produção das Interconexões Humanas, numa medida de busca de política pública internacional pensando principalmente no desdobramento entre BR-MZ e nos países CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa).

O próximo passo é socializar em âmbitos públicos culturais e educativos a vivência da experiência no intercâmbio, e democratizar a riqueza do conhecimento da humanidade das informações trocadas e produzidas.

PROJETO REALIZADO COM FOMENTO

 
MINISTÉRIO DA CULTURA – SECRETARIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA

REALIZAÇÃO 


 
André Gustavo a.k.a DJ EmTranseGente

DIREÇÃO ARTÍSTICA E EXECUTIVA

INTERCONEXÕES HUMANAS 


APOIO

Instituto Voz| Hip Hop Time – Rádio Cidade | Centro Cultural Brasil-Moçambique | Liga Moçambicana dos Direitos Humanos | Interconexões Humanas |

Harmônicas Batalhas | Da Quebrada Pra Estrada | Graffiti com Pipoca | X-Row

ARTE, ILUSTRAÇÃO E IDENTIDADE VISUAL

Regina Elias – Soberana ZIZA

FOTOGRAFIA
Zito Bila

André Gustavo

Dingzwayu

ÁUDIO

André Gustavo

Hélder Leonel
Marcelo Henrique

CURADORIA FOTOGRÁFICA
Alexandre Corazza

ANIMAÇÃO

Jerônimo Vilhena

RELAÇÃO INTERNACIONAL

Guilherme Marin

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS

Xitiku Ni Mbaula | Salvador Nkamate | Face Oculta | 2PRA1 Sound System | Piração.Com | Zero Onze | Pepo Nunes | Família Nacional | Trajeto In Verso | Max Musicamente | Toroká | Dingzwayu | Maria Alice |Paulo Edison Índio | Pedro Campos | Tiely Queem | Fênix | Panikinho | Pablom Garcia | Image | Victor Amiti | Osmeira | Iveth | Gabriel Lima Verde | Simba | Sgee | Tira-Teimas | HaydnJoyce | Shackal | Isabel Novela | Cotonete Records | Mary G | Ramadam | Shimizu Tatoo Studio